Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

04/01/2019 Solicitar análise

No médio prazo, a tendência para os preços da Fibria (FIBR3) é de lateralização, já que não há fatores suficientes para se configurar uma tendência de alta ou de baixa neste momento. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 68,90 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e de retomada da tendência de alta de médio prazo para a Fibria (FIBR3). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 64,75 representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia ocasionar a retomada das altas da FIBR3.

2ª Resistência
R$ 71,80
1ª Resistência
R$ 68,90
1º Suporte
R$ 64,75
2º Suporte
R$ 361,90

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra para as ações da Fibria poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 64,75 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 68,90 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, iniciando uma nova tendência de alta de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que têm ações da Fibria em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 68,90, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 64,75, que caso venha aconteça poderia recolocar a ação em tendência de baixa no médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

A Fibria é uma empresa brasileira com forte presença no mercado global de produtos florestais e é a maior produtora mundial de celulose de eucalipto. A Companhia investe no cultivo de florestas como fonte renovável e sustentável de insumos. As atividades da Empresa têm por base uma área florestal de 1.092 mil hectares de florestas, sendo 656 mil hectares de florestas plantadas, 374 mil hectares de áreas de preservação e conservação ambiental e 61 mil hectares destinados a outros usos. A celulose produzida pela empresa é exportada para 35 países e é matéria-prima para produtos de educação, de saúde, de higiene e de limpeza.

Pontos positivos

  • Operações verticalmente integradas com baixo custo de produção. Elevada produtividade florestal. As áreas de plantio e as unidades industriais são próximas. Alto nível de produção própria de energia. Forte posição exportadora. Equipe de executivos com alta experiência no segmento. Mercado de celulose segue aquecido, com destaque para a demanda no continente asiático.

Pontos negativos

  • A receita da Empresa está ligada ao câmbio e com o real se apreciando frente ao dólar pode impactar negativamente a rentabilidade de seus negócios. Resultados desfavoráveis em litígios pendentes podem afetar negativamente os resultados da Companhia. A redução na classificação de risco da Fibria pode impactar no custo de capital e na tomada de novos financiamentos. Elevada concorrência em alguns de seus negócios pode impactar a lucratividade futura. Maior rigor no âmbito da fiscalização ambiental pode elevar os dispêndios e, consequentemente, impactar o resultado financeiro em determinado exercício social.

Visão dos Analistas

A Fibria, uma das empresas com maior exposição ao mercado externo listadas na B3, com cerca de 90% de suas vendas destinadas mundo afora, apresentou resultados satisfatórios quanto ao desempenho operacional no terceiro trimestre deste ano. O mercado de celulose continuou a apresentar os bons fundamentos vistos nos últimos trimestres, principalmente suplantado pelo aquecimento da demanda nos mercados asiáticos. Ressaltamos o desempenho positivo e recorde do Ebitda Ajustado, que mede a “saúde operacional”, com crescimento de 160% a/a, assim como a margem Ebitda, que apresentou variação de 63% (excluindo as vendas de celulose do contrato com a Klabin) no período. Ainda, chama a atenção o avanço do fluxo de caixa livre ajustado, que atingiu patamar recorde de R$1,5 bilhão. Como fato relevante, a Companhia informou ao mercado a decisão da Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa (CADE) de aprovar sem restrições o ato de concentração envolvendo a operação entre a Suzano e a Fibria Celulose, cujo resultado será a criação da maior empresa de celulose do mundo, com 49% de participação no mercado mundial. Avaliamos que a demanda por celulose de fibra curta deve continuar à frente e o aumento da produção propiciado pelo Projeto Horizonte 2 é relevante para a expansão da produção, das vendas e das receitas. O forte desempenho operacional ao longo dos últimos trimestres, assim como as elevadas margens, nos fazem avaliar a tendência de alta para os papéis da FIBR3. Caso aconteça algum revés no crescimento da economia mundial, principalmente, e uma apreciação elevada do real ante o dólar, poderemos reavaliar a tendência do papel. ANÁLISE DE RESULTADOS 3º TRIMESTRE DE 2018 No terceiro trimestre de 2018, a receita líquida cresceu 105% na comparação anual, totalizada em R$5,8 bilhões. A valorização de 25% do dólar ante o real, o maior volume vendido e o aumento do preço médio líquido da celulose em dólar de 22% foram os principais motores de crescimento das receitas. Ainda neste sentido, a receita líquida no mercado interno representou cerca de 8% do total, enquanto a receita no mercado externo representou cerca de 92%. Percebemos e reiteramos a importância dos mercados internacionais para o escoamento da produção e para as métricas financeiras da Companhia. O Custo do Produto Vendido (CPV), que envolve as contas “custos relacionados à produção” e “frete”, avançou 52% na comparação entre o terceiro trimestre deste e o do ano passado, calculada em R$2,9 bilhões, ou 50% das receitas líquidas. Fragmentando este indicador, houve a expansão de 46% (R$2,4 bilhões) nos custos diretamente relacionados à produção, enquanto o frete cresceu 91%, explicado pela valorização do dólar ante o real, pelo aumento das vendas para Ásia e pelo maior volume vendido no projeto Horizonte 2 - projeto de expansão da fábrica em Três Lagoas (MS) - pois apresenta maior distância média até o porto. O Ebitda Ajustado totalizou R$3,26 bilhões, crescimento de 160% ante o terceiro trimestre do ano passado, devido ao aumento do preço médio líquido em dólar (22%), à expansão no volume de vendas (35%) e à apreciação de 25% do dólar médio ante o real. Neste contexto, a Fibria registrou lucro líquido de R$1,1 bilhão no terceiro trimestre de 2018, 52% maior do que o verificado um ano antes (R$743 milhões). Apesar do revés em relação ao resultado financeiro (-R$828 milhões), o avanço operacional neste trimestre mais que compensou a variação negativa desta rubrica. A produção de celulose foi de 1.809 mil toneladas neste trimestre, aumento de 25% na comparação com o terceiro trimestre de 2017, influenciada pela evolução da operação da linha Horizonte 2. Na comparação com o 2T18, a produção subiu 13%, influenciada, principalmente, por maior número de dias de produção e maior eficiência operacional. Ainda neste sentido, a Empresa apresentou seu recorde histórico em termos de volume de vendas de aproximadamente 2 milhões de toneladas de celulose, alta de 35% ante o terceiro trimestre do ano passado. O recorde foi possibilitado pela demanda consistente de celulose de fibra curta ao longo de todo o trimestre. Do ponto de vista do endividamento da Empresa, a dívida bruta aumentou 12% no encerramento de setembro de 2018 comparada com setembro de 2017, totalizada em R$21,3 bilhões. Já a disponibilidade de caixa e aplicações financeiras somou R$8,6 bilhões, elevação de 27%. Com isso, a dívida líquida saltou de R$12,2 bilhões no terceiro trimestre do ano passado para R$12,7 bilhões neste trimestre. O índice de alavancagem financeira em dólar (dívida líquida/Ebitda), por sua vez, saltou de 3,28x para 1,18x na comparação anual. Além da retração da alavancagem, o cronograma de amortização da dívida voltado para o longo prazo é um fato bem relevante e, cabe frisar, o caixa é suficiente para honrar as obrigações no horizonte de aproximadamente 3 anos. Portanto, não vemos ponto de cautela no que diz respeito ao perfil de endividamento da empresa.

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível