Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

25/11/2020 Solicitar análise

Para a Banco do Brasil (BBAS3), a tendência para os preços de seus ativos no médio prazo (de 5 dias a 3 meses) permanece de queda. Do ponto de vista técnico, este cenário fica evidente pela formação de topos e fundos para os preços cada vez em patamares mais baixos no gráfico diário, pelas médias móveis apontando para baixo e pelo volume financeiro maior apresentado nos dias de queda, o que demonstra a aposta de grandes investidores na desvalorização. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a perspectiva de curto prazo para a cotação do ativo é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma grande chance de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 31,80 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 22,10, representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia acarretar alguma alta de curto prazo para os ativos da Banco do Brasil.

2ª Resistência
R$ 36,00
1ª Resistência
R$ 31,80
1º Suporte
R$ 22,10
2º Suporte
R$ 320,90

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra de curto prazo para as ações da Banco do Brasil poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 22,10 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e apresentem alguma valorização, mesmo que apenas de curto prazo. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 31,80 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que a empresa sinalizaria a possível reversão da tendência de baixa de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que têm ações da Banco do Brasil em carteira visando o curto prazo ou que estão interessados em oportunidades na ponta vendida, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 31,80, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e acarretando a continuação da tendência de baixa de médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

O Banco do Brasil é uma instituição financeira sob controle do Governo Federal, o qual possui cerca de 50% do total de ações da Companhia. O Banco foi fundado em 1808 e foi a primeira empresa listada em Bolsa de Valores no Brasil. Atualmente, sua rede de atendimento conta com agências e caixas eletrônicos, localizados em quiosques, shoppings, aeroportos e rodoviárias. No setor agrícola, o Banco cumpre importante papel na concessão de crédito e atua diretamente na execução da política governamental para esse segmento. Além disso, a Companhia diversifica seus negócios atuando no setor de serviços bancários, seguridade, mercado de capitais, administração de recursos de terceiros, cartões e franquia de atendimento no exterior.

Pontos positivos

  • Múltiplos atrativos Melhora das margens com aumento da eficiência operacional após maior controle de custos. Aumento da bancarização da população brasileira, após o implemento do PIX no sistema financeiro nacional, deve beneficiar as operações do Banco. Boa fatia da carteira de crédito no segmento de agronegócio, que se mostra um segmento sólido no Brasil. Carteira de crédito com o menor risco médio em relação ao risco médio do setor. O Banco se mostra digitalmente competitivo. Taxa de dividendos yield atrativa.

Pontos negativos

  • Participação majoritária do Governo no controle acionário do Banco, o que pode favorecer a aprovação de projetos com objetivos sociais ou políticos em detrimento daqueles que visem unicamente os interesses financeiros da Companhia. Perspectiva com receitas de prestação de serviços ruim, devido aos movimentos da indústria financeira. Taxa de PDD (Provisão para Devedores Duvidosos) crescente. Aumento do risco regulatório, com o avanço do Projeto de Lei (PL) 1.166/2020 que limita a cobrança de juros do cartão de crédito e cheque especial.

Visão dos Analistas

<b> Visão sobre o Banco do Brasil: <font color="green">Compra</font><b> Apesar do aumento da competição no setor e da diminuição das margens devido ao patamar de juros baixos, o Banco do Brasil se mostra com um múltiplo muito atrativo. Dessa forma, acreditamos que o atual patamar de preço não reflete um nível adequado se comparado com seus principais pares. Portanto, a exposição nesse ativo no momento mostra uma boa assimetria de risco/retorno e, com base nisso, recomendamos a compra deste ativo. Além disso, o dividend yield (taxa de pagamento de dividendos) deve superar com folgas a taxa Selic, o que torna o Banco do Brasil um bom investimento também para aqueles que buscam ganhos com proventos. <b> Visão sobre os resultados do Banco do Brasil: <font color="grey">Neutra</font><b> O Banco registrou um lucro líquido ajustado de R$3,3 bilhões no 2T20, apresentando uma diminuição de 25,3% em relação ao 2T19. Esse resultado, se deve principalmente pelo aumento da PCLD ampliada. Além disso, a Companhia teve um crescimento de 5,2% no segmento de seguros, previdência e capitalização, isso se deve ao aumento das vendas, com destaque para os segmentos rural, vida e prestamista e também pelo recebimento de bônus de performance. Por outro lado, alguns indicadores de eficiência operacional não demonstram a mesma melhora. O índice de eficiência, por exemplo, que mede a participação das despesas administrativas no resultado, cresceu mesmo em um cenário de crise, o que mostra que o Banco tem grandes dificuldades para cortar custos. O spread de crédito, que mede a diferença entre os juros médios pagos nas captações do Banco e os juros médios recebidos dos empréstimos concedidos, segue no patamar de 4%, bem abaixo de seus competidores e sem conseguir se beneficiar da baixa taxa SELIC. Entretanto, as ações BBSA3 se mostram bastante descontadas em relação aos seus pares e, por isso, recomendamos a compra deste ativo.

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível