Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

18/09/2019 Solicitar análise

Para a PETROBRAS PN, a perspectiva para os preços permanece de alta no médio prazo (de 5 dias a 3 meses), conforme vem sendo apontado pela nossa Equipe nas últimas análises. Cenário que pode facilmente ser observado pelas médias móveis apontando para cima e pela formação de topos e fundos cada vez em patamares mais altos. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação do ativo é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 28,40 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e manutenção da tendência de alta de médio prazo para a PETROBRAS PN (PETR4). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 26,70, representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia ocasionar a retomada das altas da PETROBRAS PN.

2ª Resistência
R$ 29,30
1ª Resistência
R$ 28,40
1º Suporte
R$ 26,70
2º Suporte
R$ 325,60

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra para as ações da PETROBRAS PN poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 26,70 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 28,40 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, dando continuidade à tendência de alta de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que tem ações da PETROBRAS PN em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 28,40, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 26,70, que caso venha aconteça poderá neutralizar a tendência de alta de médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

A Petrobras é uma petrolífera controlada pelo Governo Federal brasileiro e que atua como empresa integrada de energia nos setores de exploração e produção, refino, geração de energia, comercialização e distribuição de derivados. A Companhia atualmente está presente em 19 países, atuando nas Américas, Europa, Ásia e África, com operações em bacias, refinarias, termelétricas, gasodutos, fábricas de fertilizantes, terminais e oleodutos. Seus produtos atingem os mais diversos setores como o automotivo, doméstico, industrial, nitrogenados, ferroviários, marítimos e aviação.

Pontos positivos

  • Processo de desalavancagem da Companhia tem sido efetivo e gera resultado sobre seus indicadores de alavancagem. Processo de privatização de subsidiárias da Petrobras contribui para redução de sua alavancagem. Empresa detém liderança na extração de petróleo no Brasil, com expertise na exploração em águas ultra profundas. A Companhia tem privilégios na exploração das reservas do pré-sal, o que amplia seu estoque de petróleo. A Empresa é integrada verticalmente, controlando atividades de exploração, produção, refino e comercialização do petróleo e de seus derivados.

Pontos negativos

  • Os efeitos da lava-jato ainda geram perdas para a Companhia através de acordos judiciais com investidores estrangeiros. Exposição forte à cotação do petróleo nos mercados internacionais impacta o resultado diretamente. Os cenários político e econômico afetam diretamente os negócios da Empresa. A alta do dólar dificulta a redução da dívida da Companhia em moeda estrangeira.

Visão dos Analistas

<b> Visão da Toro sobre a Petrobras: <font color="green">Compra</font><b> A Petrobras passa por um momento positivo em relação a gestão de custos, produção e vendas, além de desinvestimentos em ativos non core (que não fazem parte da atividade principal de Exploração e Produção de Petróleo em águas profundas). Desde 2016, a gestão foi focada em rentabilizar a Companhia e deu continuidade ao trabalho na nova gestão indicada pelo governo atual, gerando importantes resultados na gestão de ativos. Temos visto ótimos avanços na estratégia atual em reduzir o índice de alavancagem, que já foi de mais de 5x a dívida líquida/EBITDA e no atual trimestre alcançou 2,69x, além da saída de prejuízos recorrentes a cada trimestre para lucros em constante evolução desde 2017. Alguns destravamentos de valor têm sido fundamentais para o sucesso da Petrobras, como já mencionado a venda de ativos, recentemente a Companhia vendeu a transportadora TAG por cerca de R$33,5 bilhões e a recente alienação de participação na BR Distribuidora saindo de 71% para 37,5% (com forte intenção em vender o restante da participação) deixando de consolidar a Distribuidora para os próximos balanços, que garantirá um ganho de capital de R$14,2 bilhões no próximo trimestre. Além disso, a Petrobras já possui 8 refinarias à venda, sendo que 4 já possuem propostas não-vinculantes. Negociada ainda abaixo do seu valor justo, dado que acreditamos que os fluxos de caixa futuros e os desinvestimentos contribuirão para uma maior precificação de PETR4 mantemos nossa recomendação de compra. <b> Visão da Toro sobre o Resultado do 2T19: <font color="green">Positiva</font><b> A Petrobras apresentou um lucro líquido de R$18,9 bilhões, alta de 368% frente ao 1T19, resultado impactado pelo fator não recorrente da venda de ativos, neste caso a venda da TAG (transportadora de gás). Desconsiderando os itens não recorrentes, o lucro líquido recorrente foi de R$5,2 bilhões alta de 10,6% frente ao 1T19, numa comparação com o 2T18 houve queda de 53%. Passando pelos resultados operacionais por segmento, vimos o EBITDA ajustado da atividade de Exploração & Produção aumentar 24% em função de maiores preços do petróleo brent e câmbio. O segmento de refino se manteve estável mostrando maiores vendas em diesel, compensadas por menores margens em GLP e diesel. Já em Gás & Energia a Petrobras apresentou aumento de 2%. Com isso o EBITDA ajustado consolidado registrou alta de 18,8% registrando R$32,7 bilhões. Em termo de dados operacionais, observamos um avanço importante no lifting cost (custo de exploração e produção em US$/barril), principalmente ligado à operação via Pré-sal que corresponde a 55% da produção de óleo e gás, que caiu de US$6,8 para US$6,0, reflexo ramp up (início de produção) no campo de Búzios. Em contrapartida, o lifting cost Águas Profundas, que representa 33% da produção de óleo e gás subiu de US$11,1 para US$13,6 refletindo uma maior duração de intervenções em poços, redução da produção com parada de plataformas e declínio natural dos campos. O lifting cost geral se manteve praticamente estável em US$10,43. A Produção média no 2T19 foi de 2,63 milhões boed (barris de óleo equivalente ao dia), apresentando crescimento de 3,8% em relação ao 1T19. Outro indicador importante neste resultado foi a queda da alavancagem operacional, ou seja a relação entre a dívida líquida e o Ebitda Ajustado, que caiu de 3,19x para 2,69x, sem considerar os efeitos do IFRS 16 (norma internacional de contabilidade que altera registros contábeis sobre arrendamentos mercantis) o indicador caiu de 2,37x para 2,02x mostrando reflexos da geração de caixa através da venda de ativos.

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível