Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

22/03/2019 Solicitar análise

Para os próximos dias, a perspectiva para os ativos da Banco Itaú é de queda. Isso porque, com a alta recente dos preços, a cotação se aproxima de uma zona de preços onde existem muitos investidores dispostos a vender o ativo, representada pela resistência em 34,75 (linha vermelha no gráfico), o que deverá ocasionar um aumento da oferta em relação à demanda pelos papéis no curto prazo e consequentemente uma maior probabilidade de queda. Caso os preços consigam ultrapassar a resistência em 34,75,demonstrando a predominância da força compradora, a Banco Itaú poderá acelerar as altas e retomar a tendência de alta no médio prazo. Por enquanto, a tendência de médio prazo para a Banco Itaú (ITUB4) permanece lateral.

2ª Resistência
R$ 37,95
1ª Resistência
R$ 34,75
1º Suporte
R$ 32,10
2º Suporte
R$ 330,05

Avaliar compras

Uma oportunidade de compra na Banco Itaú, poderá surgir caso os preços consigam romper a resistência em 34,75 (linha vermelha no gráfico), dentro de características ideais (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), cenário que abriria a possibilidade de retomada da tendência de alta no médio prazo.

Avaliar vendas

Quem busca oportunidades de venda de ações da empresa, deverá ficar especialmente atento ao rompimento do suporte em 32,10, já que este sinal poderia acarretar a retomada da tendência de baixa no médio prazo. Outro cenário no qual seria interessante avaliar vender ações da empresa , seria na proximidade da resistência em 34,75, já que neste patamar a pressão vendedora é predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e acarretando a possibilidade de alguma correção no curto prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

O Itaú Unibanco é uma das maiores instituições financeiras do Brasil e dos maiores grupos empresariais do país. Embora a história dos bancos Itaú e Unibanco seja de décadas atrás, o surgimento do grupo na formatação atual ocorreu em 2008 com a fusão das instituições durante a crise do subprime. A rede do Banco, em conjunto com empresas coligadas e controladas, atua na atividade bancária em todas as modalidades por meio de suas carteiras: comercial, de investimento, de crédito imobiliário, de crédito, financiamento e investimento e de arrendamento mercantil. Com presença internacional, o Banco está presente na América do Norte, América Central, Europa, Ásia e Oriente Médio.

Pontos positivos

  • Aumento da remuneração dos acionistas por meio da elevação do payout e do programa de recompra de ações. Baixo nível de inadimplência e redução do PDD remete à qualidade da carteira de crédito do Banco. Variedade de produtos ofertados na carteira de crédito aumenta a atratividade de clientes e reduz o risco de cada produto individualmente. Redução do custo do crédito.

Pontos negativos

  • Apesar da elevação do lucro líquido recorrente e da margem financeira gerencial, o crescimento foi inferior àquele apresentado pelos principais concorrentes. Alta concorrência no setor, o que pode culminar na redução nas taxas de juros oferecidas aos clientes e, consequentemente, redução da margem financeira. Aumento da inadimplência na América Latina (sem considerar o Brasil) devido à operação de pessoas físicas no Chile.

Visão dos Analistas

O fim do ano passado foi marcado por um certo alívio nas tensões eleitorais devido à eleição de Jair Bolsonaro, que possui iniciativas e medidas entendidas como pró-mercado. Porém, para que a expectativa se torne realidade, é essencial que as reformas sejam devidamente aprovadas pelo Legislativo. Dentre elas, destacamos a reforma da Previdência, que é tratada como imprescindível para que o Brasil consiga controlar o seu déficit fiscal. O Executivo já encaminhou uma proposta que seria capaz de trazer uma economia de R$1,0 trilhão em 10 anos. Porém, ainda é incerto quais os cortes que o governo aceitará realizar visando a aprovação da reforma e, principalmente, quanto isso impactará na economia inicialmente calculada. Aliado a isso, o governo do presidente Bolsonaro já demonstrou dificuldade na formação de uma base aliada forte e consistente. Mediante a esse cenário de indecisão, a economia brasileira vem apresentando crescimento mais lento do que o esperado, com as expectativas do PIB sendo revisadas para baixo. Com a inflação sob controle, os juros sinalizam que não serão elevados em um futuro próximo e ficarão na casa dos 6,5% a.a., que corresponde à mínima histórica. Do ponto de vista internacional, a atenção segue para o crescimento da economia dos Estados Unidos e para a guerra comercial envolvendo a China. Do ponto de vista dos resultados apresentados pelo Itaú Unibanco no 4T18, percebe-se que eles foram, em geral, positivos. O lucro líquido recorrente e a margem financeira gerencial cresceram, aliados à evolução da sua carteira de crédito. Também foi possível perceber o aumento da remuneração dos acionistas, o que é bem visto pelo mercado. Enquanto isso, o ROAE e o Índice de Basileia apresentaram leve redução, sem que os fundamentos da Empresa fossem alterados de forma significativa. Já na comparação com outros bancos, constatou-se que os resultados de Itaú Unibanco no 4T18 não vieram tão bons assim. Acreditando que o setor bancário se beneficiará do crescimento da economia brasileira, e que o Itaú Unibanco, em particular, apresentou resultados positivos, continuamos enxergando que a tendência para o longo prazo seja de alta. ANÁLISE DE RESULTADOS 4º TRIMESTRE DE 2018 No 4T18, o Itaú Unibanco apresentou lucro líquido recorrente de R$6,5 bilhões, resultado 3,1% superior àquele registrado no mesmo período do ano passado. Já na comparação anual, a Empresa registrou lucro de R$25,7 bilhões, uma alta de 3,4% frente a 2017. Por sua vez, a margem financeira gerencial ficou em R$17,4 bilhões no 4T18, frente aos R$16,9 bilhões registrados no 4T17 (alta de 2,6%). Ao se analisar os resultados anuais, percebe-se que a margem financeira gerencial apresentou alta de 0,84% (R$68,5 bilhões em 2017 versus R$69,1 bilhões em 2018). O principal motivo para a evolução do lucro líquido recorrente do 4T18 foi o crescimento de 6,5% da receita de prestação de serviços, com destaque para o banco de investimento, a administração de fundos e os cartões de créditos. Enquanto isso, o crescimento da carteira de crédito para pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas justifica o aumento da margem financeira gerencial. Nesse ponto, destaca-se o aumento do mix de produtos na composição da carteira dos clientes e a elevação do saldo médio de capital de giro próprio. A carteira de crédito do Banco voltada para pessoas físicas finalizou o 4T18 em R$211,3 bilhões, apresentando crescimento de 10,3% entre o 4T17 e o 4T18. O principal destaque fica para o setor de cartão de crédito (alta de 15,7%) e de veículos (alta de 12,9%). Já o setor de micro, pequenas e médias empresas cresceu 14,4% e fechou o período com R$70,8 bilhões. O crescimento da carteira de crédito para pessoas físicas e para empresas de menor porte se justifica pela maior demanda advinda destes segmentos. Em contrapartida, o setor de grandes empresas contraiu 4,7% e fechou o 4T18 em R$191,6 bilhões. Essa redução é explicada pela baixa demanda por crédito de longo prazo, que migrou para o mercado de capitais, e pelo impacto negativo da variação cambial no período, apesar do aumento de crédito para títulos privados. Para mensurar a qualidade da carteira de crédito do Itaú Unibanco, além das características principais dos seus devedores, analisa-se o índice de inadimplência acima de 90 dias. Esse indicador finalizou o 4T18 em 2,9%, uma redução de 0,2 p.p. em relação ao 4T17. Quando se analisa o mercado brasileiro separadamente, observou-se uma inadimplência de 3,5% no 4T18 frente a 3,7% registrados no 4T17. Apesar do aumento da inadimplência das grandes empresas devido à rolagem de operações, a inadimplência diminuiu nos setores de pessoas físicas e micro, pequenas, e médias empresas. Também foi possível constatar a redução da PDD (Provisão de Devedores Duvidosos) dividida pela carteira de crédito. Ela passou de 3,7% no 4T17 para 2,9% no 4T18, na comparação anualizada. Outro indicador a ser considerado é o Retorno Recorrente sobre o Patrimônio Líquido Médio anualizado, também conhecido como ROAE. Ele indica a capacidade que a Empresa tem de agregar valor a partir de seus próprios recursos. No 4T18, o indicador ficou em 21,8%, uma queda de 0,1 p.p. em relação ao 4T17. Por sua vez, a Empresa registrou ROAE de 21,9% em 2018, frente a 21,8% em 2017. Apesar da leve retração constatada na comparação trimestral, o indicador permanece em níveis interessantes na comparação com outros bancos. Ele pode ser justificado, mais uma vez, pela receita de prestação de serviços. Em relação à solvência do Itaú Unibanco, é possível perceber que o Índice de Basileia passou de 18,8% no fim de 2017 para 18,0% no fim de 2018. Essa redução pode ser explicada, principalmente, pelo pagamento de dividendos adicionais aos acionistas referentes ao resultado de 2017. De todo modo, o Índice permanece acima daquele estipulado pelo Banco Central (8,625%).

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível