Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

22/08/2019 Solicitar análise

No médio prazo, a tendência para os preços da Banco Itaú (ITUB4) é de lateralização, já que não há fatores suficientes para se configurar uma tendência de alta ou de baixa neste momento. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 36,90 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e de retomada da tendência de alta de médio prazo para a Banco Itaú (ITUB4). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 33,10 representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia ocasionar a retomada das altas da ITUB4.

2ª Resistência
R$
1ª Resistência
R$ 36,90
1º Suporte
R$ 33,10
2º Suporte
R$ 331,50

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra para as ações da Banco Itaú poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 33,10 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 36,90 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, iniciando uma nova tendência de alta de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que têm ações da Banco Itaú em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 36,90, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 33,10, que caso venha aconteça poderia recolocar a ação em tendência de baixa no médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

O Itaú Unibanco é uma das maiores instituições financeiras do Brasil e dos maiores grupos empresariais do país. Embora a história dos bancos Itaú e Unibanco seja de décadas atrás, o surgimento do grupo na formatação atual ocorreu em 2008 com a fusão das instituições durante a crise do subprime. A rede do Banco, em conjunto com empresas coligadas e controladas, atua na atividade bancária em todas as modalidades por meio de suas carteiras: comercial, de investimento, de crédito imobiliário, de crédito, financiamento e investimento e de arrendamento mercantil. Com presença internacional, o Banco está presente na América do Norte, América Central, Europa, Ásia e Oriente Médio.

Pontos positivos

  • Índice de inadimplência acima dos 90 dias relativamente constante e abaixo dos principais pares de mercado, mesmo com a redução da participação das grandes empresas na composição da carteira de crédito. Aumento da carteira de crédito, com destaque para as pessoas físicas e o crescimento do segmento de cartão de crédito. Política consistente de distribuição de proventos, com distribuição de parcela considerável dos seus lucros aos acionistas. Variedade de produtos ofertados aumenta a atratividade de clientes e reduz o risco de cada produto individualmente.

Pontos negativos

  • Apesar da elevação do lucro líquido recorrente e da margem financeira gerencial, o crescimento foi inferior àquele apresentado pelos principais concorrentes. Aumento do custo de crédito influenciado, principalmente, pela despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa. Alta concorrência no setor, o que pode culminar na redução nas taxas de juros oferecidas aos clientes e, consequentemente, redução da margem financeira.

Visão dos Analistas

Os cenários político e macroeconômico se mostram um tanto quanto desafiadores. O Executivo demonstra certa dificuldade em formar uma base sólida voltada para uma articulação mais efetiva com o Legislativo. Dessa forma, projetos e reformas importantes, com destaque para a Reforma da Previdência, estão demorando mais para avançarem em comparação com o prazo previsto inicialmente. Isso traz um sentimento de apreensão, o que acaba refletindo no elevado desemprego brasileiro e nas revisões para baixo da previsão do PIB para 2019, refletindo o fraco crescimento econômico. No cenário externo a atenção fica para a guerra comercial envolvendo os Estados Unidos e a China, além das incertezas sobre a continuidade do crescimento da economia norte americana. Do ponto de vista dos resultados apresentados pelo Itaú Unibanco no 1T19, percebe-se que eles apresentaram um viés positivo. A margem financeira gerencial evoluiu 3,9%, o que refletiu em um crescimento de 7,1% do lucro líquido recorrente. Porém, o custo de crédito também aumentou, influenciado pela despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa. Além disso, a carteira de crédito do Banco cresceu 7,7%, mas observou-se diminuição do segmento das grandes empresas. Finalmente, o índice de inadimplência apresentou leve queda. Apesar dos resultados positivos apresentados, acreditamos que o Itaú Unibanco tem, devido ao seu porte, a capacidade de entregar resultados ainda melhores, mais alinhados com os seus principais pares de mercado. Isso pode ser acelerado com a melhora do cenário econômico brasileiro. Dessa forma, a tendência de Itaú Unibanco no longo prazo é de alta. ANÁLISE DE RESULTADOS 1º TRIMESTRE DE 2019 No 1T19, o Itaú Unibanco apresentou margem financeira gerencial de R$17,7 bilhões, frente aos R$17,0 bilhões registrados no 1T18 (alta de 3,9%). A margem financeira com clientes, que representa 93,0% do total, cresceu 7,6%, passando de R$15,3 bilhões para R$16,4 bilhões. Esta alta é explicada pelo crescimento da carteira de crédito e aumento do saldo médio, apesar dos menores spreads da carteira de crédito. Já a margem financeira com o mercado, que representa 7,0% da margem financeira gerencial, decresceu 28,4%. Enquanto isso, o custo de crédito expandiu 0,4%, passando de R$3,79 bilhões no 1T18 para R$3,80 bilhões no 1T19. A principal contribuição para essa elevação foi o aumento de 2,3% da despesa de provisão para créditos de liquidação duvidosa (R$4,1 bilhões no 1T18 versus R$4,2 bilhões no 1T19). Porém, ela foi parcialmente compensada pela queda de 84,1% do impairment de títulos privados no Banco de Atacado do Brasil, passando de R$187 milhões para R$30 milhões. Dessa forma, o resultado líquido da intermediação financeira, dado pela diferença entre a margem financeira gerencial e o custo de crédito, evoluiu 4,9%, passando de R$13,2 bilhões (1T18) para R$13,9 bilhões (1T19). Na continuação da análise, os resultados operacionais do Itaú Unibanco passaram de R$3,2 bilhões negativos no 1T18 para R$3,6 bilhões negativos no 1T19 (alta de 11,3%). O principal destaque foi o aumento das despesas não decorrentes de juros que apresentaram alta de 4,1%, passando de R$11,7 bilhões negativos (1T18) para R$12,2 bilhões negativos (1T19). Essa alta é justificada pelo impacto do acordo coletivo de trabalho nas despesas de pessoal, pelas maiores despesas administrativas e pelo impacto da variação cambial nas despesas da América Latina. Finalmente, o resultado antes da tributação e das participações minoritárias nas subsidiárias cresceu 2,9% (R$10,0 bilhões no 1T18 versus R$10,3 bilhões no 1T19). Quando descontados estes dois fatores, chega-se ao lucro líquido recorrente de R$6,9 bilhões no 1T19 (alta de 7,1% em comparação aos R$6,4 bilhões apresentados no 1T18). A carteira de crédito do Banco cresceu 7,7% entre o primeiro trimestre de 2018 e o mesmo período do ano de 2019, passando de R$601,1 bilhões para R$647,1 bilhões. A carteira de crédito das pessoas físicas (que corresponde a 33,3% do total) evoluiu 12,7%, influenciada, principalmente, pela alta de 17,6% no segmento de cartão de crédito. Já a carteira de crédito das pessoas jurídicas cresceu 1,9%. O principal destaque foi a diminuição de 3,1% do segmento de grandes empresas, que representa 72,0% das pessoas jurídicas. Quando excluídas as variações cambiais do período, constata-se elevação de 5,3% no total de garantias financeiras prestadas e títulos privados do Itaú Unibanco. O índice de inadimplência acima de 90 dias apresentou leve redução entre o 1T18 e o 1T19, passando de 3,1% para 3,02%. A inadimplência do Brasil, analisada separadamente, diminuiu 0,02 p.p., passando de 3,7% para 3,68%. Já a inadimplência da América Latina (sem considerar o Brasil) diminuiu de 1,6% para 1,37%. A inadimplência total e do Brasil foram impactadas pela menor participação do segmento de grandes empresas na composição da carteira de crédito do Itaú Unibanco. O ROAE (Return On Average Equity, calculado como a relação entre o lucro líquido e o patrimônio líquido médio) anualizado foi de 23,6% no 1T19, um aumento de 1,4 p.p. em comparação àquele registrado no mesmo período do ano anterior. Esse resultado foi impulsionado positivamente pela alta de 7,1% do lucro líquido recorrente e reflete a capacidade que o Banco tem em gerar lucro com base nos seus próprios recursos.

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível