Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

13/06/2019 Solicitar análise

No médio prazo, a tendência para os preços da Anima (ANIM3) é de lateralização, já que não há fatores suficientes para se configurar uma tendência de alta ou de baixa neste momento. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda do ativo no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 20,40 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de seus ativos, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e de retomada da tendência de alta de médio prazo para a Anima (ANIM3). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 17,45 representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis poderia ocasionar a retomada das altas da ANIM3.

2ª Resistência
R$ 22,05
1ª Resistência
R$ 20,40
1º Suporte
R$ 17,45
2º Suporte
R$ 316,20

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra para as ações da Anima poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 17,45 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 20,40 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, iniciando uma nova tendência de alta de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que têm ações da Anima em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 20,40, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 17,45, que caso venha aconteça poderia recolocar a ação em tendência de baixa no médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

A Ânima (ANIM3) é uma das maiores organizações educacionais privadas de ensino superior do Brasil, tanto em termos de receita como em número de estudantes matriculados. A atuação da Companhia é concentrada na região Sudeste, nos estados de Minas Gerais e São Paulo. O grupo foi fundado há pouco mais de uma década com a compra de um centro universitário em Minas Gerais. O grupo também detém 100% da HSM, uma das mais renomadas instituições de educação corporativa no País.

Pontos positivos

  • Foco em proporcionar ensino acadêmico de qualidade. Portfólio de marcas com grande tradição e reputação no mercado. Administração experiente. Concentração das atividades nas regiões de maior poder aquisitivo do país. Gestão da Companhia tem experiência no setor educacional. Empresa segue com sua política de aquisições, migrando para outras regiões do País.

Pontos negativos

  • Conjuntura econômica fragilizada, com alto nível de desemprego, impacta a inadimplência e a evasão de alunos no contexto global do setor. A expansão da Companhia em termos de área de abrangência e cursos oferecidos pode comprometer seus custos operacionais e resultar em perda de eficiência. O mercado de educação superior é altamente competitivo, com fácil mobilidade dos estudantes. Dificuldade fiscal do País impacta o setor de educação, reduzindo o financiamento estudantil neste ambiente e impactando diretamente os negócios da Empresa.

Visão dos Analistas

A Ânima, uma das maiores empresas do setor educacional, apresentou os resultados do terceiro trimestre de 2018 com dificuldades de avançar em métricas operacionais importantes. A Companhia apresentou baixo crescimento da receita líquida, estabilidade do Ebitda e queda da margem Ebitda e do lucro líquido ajustado. Ainda, o elevado número de desempregados na economia, a concorrência acirrada e o receio quanto às capturas de novos alunos são variáveis importantes que podem pressionar as margens futuras. Para o longo prazo, a Empresa deve manter a sua política de aquisições que, apesar de impactar a estrutura de capital, pode elevar a base de alunos nos próximos trimestres. O Novo FIES e a ampliação da nima no âmbito do fomento de crédito privado estudantil podem trazer mais alunos para as escolas do Grupo. Apesar destes pontos elencados, avaliamos com cautela o cenário mercadológico que envolve a Empresa. O ainda elevado nível de desemprego, os descontos nas primeiras mensalidades, a forte concorrência e a tímida recuperação econômica são fatores importantes que nos fazem adotar cautela para com o ativo. Ainda, os múltiplos mais deteriorados ante seus pares, com destaque para o menor ROE (lucro líquido/patrimônio líquido) do setor e o segundo maior P/L (preço/lucro por ação) do setor, reafirmam a tendência neutra nos papéis ANIM3. ANÁLISE DE RESULTADO 3º TRIMESTRE 2018 A receita líquida consolidada, que é dividida nas linhas de negócios Ensino e Outros Negócios (inclui a HSM e a Escola Brasileira de Direito), no 3T18 foi de R$ 256,2 milhões, crescimento de 1,7% na comparação anual. A receita líquida do Ensino, maior peso em termos de faturamento da Companhia, foi calculada em R$247,4 milhões, expansão de 3,0% em relação ao mesmo período do ano passado. A elevação é explicada, principalmente, pelo aumento da base de alunos, fato que compensou a queda do ticket médio no período. Os custos consolidados no presente trimestre foram de R$150,9 milhões, valor superior aos R$144,3 milhões do terceiro trimestre do ano passado. Na comparação anual, o grupo de contas Aluguel & Ocupação representou a maior alta em termos de custos, saltando de R$21,5 milhões para R$25,4 milhões. Subtraindo as receitas líquidas dos custos, temos o lucro bruto mensurado em R$105,3 milhões, queda de 2,1% ante o ano passado. O Ebitda Ajustado se manteve estável em 0,2% no 3T18 em comparação com o mesmo período do ano anterior, calculado no montante de R$40,5 milhões. Na mesma comparação temporal, a margem líquida do Ebitda (Ebitda/receita líquida) apresentou recuo de 0,2 p.p. para 15,8%, fato que denota menor conversão das receitas líquidas geração operacional bruta de caixa (Ebitda). A retração na rubrica está relacionada ao aumento das despesas corporativas. Ainda, o lucro líquido ajustado foi de R$15 milhões no terceiro trimestre de 2018, retração de 14,8%. Se avaliarmos a métrica com itens não-recorrentes no período, a Companhia mensuraria prejuízo líquido de R$16,7 milhões. A base de alunos totalizou 102,3 mil alunos no encerramento do terceiro trimestre do ano, elevação de 7,5% quando comparada ao mesmo período no ano anterior. Dentre a base de alunos, os segmentos Graduação e Pós-Graduação foram os que mais cresceram (6,0% e 16,4%, respectivamente) e totalizaram 97,1 mil alunos (97,9% do total). Por sua vez, os segmentos de Ensino Básico/Técnico e EAD apresentaram quedas de 16,7% e 59,3%, respectivamente, na mesma base de tempo. No primeiro semestre do ano, a Empresa investiu (Capex) R$75,4 milhões. Tal montante é direcionado principalmente para o processo de expansão orgânica por meio da abertura e crescimento de novas unidades acadêmicas, além do investimento em desenvolvimento da plataforma de sistemas e tecnologia aplicada à educação. Na análise do endividamento da Empresa, a dívida bruta ao fim de setembro/2018 foi de R$405,4 milhões enquanto que, ao fim de setembro/2017, foi de R$295,5 milhões. Já a dívida líquida aumentou 14,1% na comparação anual, medida em R$257,1 milhões. O aumento está relacionado às outras obrigações de curto e longo prazo, representadas principalmente pelos títulos a pagar relacionados às aquisições, que totalizaram R$97,9 milhões, além da emissão de debêntures no valor de R$150 milhões. O grau de alavancagem da dívida (dívida líquida/Ebitda Ajustado) foi de 1,6x, valor maior do que o verificado um ano antes, quando foi de 1,3x. Já em relação ao perfil da dívida, a maior parte do endividamento está voltado para o longo prazo. Tal alongamento nas obrigações representa um ponto positivo para a estrutura de dívidas da Empresa, uma vez que o total de caixa cobre os passivos em curto prazo.

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível