Tendências

Curto prazo

1 a 5 dias

Médio prazo

5 a 90 dias

Análise técnica

Longo prazo

3 meses a 3 anos

Análise fundamentalista

Análise técnica

27/07/2016 Solicitar análise

Para a PETROBRAS PN, a perspectiva para os preços permanece de alta no médio prazo (de 5 dias a 3 meses), conforme vem sendo apontado pela nossa Equipe nas últimas análises. Cenário que pode facilmente ser observado pelas médias móveis apontando para cima e pela formação de topos e fundos cada vez em patamares mais altos. Pelo fato dos preços não se encontrarem próximos nem de zonas de pressão compradora (suportes) nem de predominância vendedora (resistências), a tendência de curto prazo para a cotação da ação é neutra. Neste contexto, não vemos oportunidades interessantes de compra nem de venda da ação no momento. Caso os preços venham a subir, existe uma chance razoável de que eles voltem a cair após se aproximar do patamar de resistência em 12,05 representada pela linha vermelha no gráfico. Isso porque na proximidade deste patamar existem muitos investidores interessados em desfazer de suas ações, o que poderá acarretar o aumento da oferta frente a demanda pelos papéis da empresa. Ao mesmo tempo, caso os preços consigam ultrapassar essa resistência com força e convicção (fechamento próximo da máxima e volume acima da média), haverá uma enorme probabilidade de continuação das altas e manutenção da tendência de alta de médio prazo para a PETROBRAS PN (PETR4). Em um cenário de queda para os preços, um ponto de possível interrupção das quedas ficaria na região de suporte em 11,30, representado pela linha verde no gráfico, onde o aumento da demanda pelos papéis da empresa poderia ocasionar a retomada das altas da PETROBRAS PN.

2ª Resistência
R$ 13,50
1ª Resistência
R$ 12,05
1º Suporte
R$ 11,30
2º Suporte
R$ 310,40

Avaliar compras

Possíveis oportunidades de compra para as ações da PETROBRAS PN poderão ocorrer caso os preços da ação se aproximem da região de suporte em 11,30 representado pela linha verde no gráfico. Neste patamar, por existirem muitos investidores dispostos a comprar a ação conforme observado no passado, existe boa chance de que os preços parem de cair e retomem as altas. Outro cenário interessante para compras, ocorrerá caso os preços superem a região de resistência em 12,05 com um candle de força e volume financeiro acima da média diária, situação em que seria extremamente provável que os preços continuassem subindo, dando continuidade à tendência de alta de médio prazo.

Avaliar vendas

As pessoas que tem ações da PETROBRAS PN em carteira visando o curto prazo, deverão avaliar vender ações da empresa na proximidade da resistência em 12,05, já que neste patamar a pressão vendedora deve voltar a se tornar predominante, aumentando a oferta de papéis em relação à demanda e portanto a chance de que ocorra alguma queda para os preços. Outro cenário no qual seria recomendado que se avaliasse a venda das ações, seria no desrespeito do suporte em 11,30, que caso venha aconteça poderá neutralizar a tendência de alta de médio prazo.

Análise fundamentalista

Sobre

A Petrobras é uma petrolífera controlada pelo governo federal brasileiro e que atua como uma empresa integrada de energia nos setores de exploração e produção, refino, comercialização, transporte, petroquímica, distribuição de derivados, gás natural, energia elétrica, gas-química e biocombustíveis. A companhia atualmente está presente em 17 países além do Brasil, produz mais de 2,5 milhões de barris de óleo e quase 2,15 milhões de barris de derivados por dia. A Petrobras tem ainda 7.710 postos, 5 usinas de biodiesel e uma frota de 326 navios que transportam o petróleo extraído de 134 plataformas e refinado em 15 refinarias.

Pontos positivos

  • Empresa detém liderança na extração de petróleo no Brasil, com expertise na exploração em águas profundas e ainda tem 16,57 bilhões de barris em reservas provadas A companhia tem privilégios na exploração das reservas do pré-sal o que amplia seu estoque de petróleo A empresa é integrada verticalmente, controlando atividades de exploração, produção, refino e comercialização do petróleo e de seus derivados A alta do dólar tem impacto direto na cotação do barril de petróleo (cotado na moeda norte-americana) o que, por sua vez, influencia imediatamente nos resultados da companhia A alta liquidez das opções sobre as ações da Petrobras favorece a realização de operações de lançamento coberto e a adoção de estratégias que combinam derivativos para diluir riscos e controlar a exposição direcional do investidor ao mercado

Pontos negativos

  • A Petrobras vem sendo utilizada como mecanismo de controle inflacionário através da resistência do governo em autorizar reajustes nos preços do combustível. Esse fator compromete a rentabilidade da companhia Gestão da empresa é composta por vários cargos de confiança cuja indicação vem seguindo cunho mais político do que técnico O resultado da Petrobras sofre em função da cotação do petróleo em mercados internacionais A redução do crescimento Chinês e o aumento de produção de países da OPEP tem pressionado para baixo a cotação do petróleo A companhia tem realizado operações carentes de fundamento econômico-financeiro com a finalidade de influenciar o resultado primário do governo

Visão dos Analistas

A Petrobras tem sido alvo de constante influência do governo federal o que nos gera sérias preocupações quanto ao possível comprometimento dos resultados da companhia em função dessa interferência. Como o diesel e a gasolina têm grande influência nos índices de inflação na medida em que impactam diretamente no custo logístico de uma ampla gama de produtos e serviços, a Petrobras tem tido dificuldades em repassar ao consumidor os aumentos que esses combustíveis deveriam ter e essa imposição do governo vem se refletindo em seus resultados. Recentemente, a presidente informou durante greve de caminhoneiros que manteria o Diesel estável o que reforça a tese de intervenção na companhia. Ao mesmo tempo, a indicação de executivos por razões mais políticas do que técnicas compromete o corpo de funcionários da empresa e também representa um fator de risco para suas ações. Embora recentemente, o conselho tenha aprovado o nome de Murilo Ferreira, CEO da VALE, para assumir a companhia o problema ainda persiste nos demais escalões. Com o reflexo das ingerências sofridas pela companhia, seu resultado operacional vem sendo prejudicado ao longo dos últimos anos, deixou de ser divulgado por quase seis meses e sua análise de crédito se deteriorou. Diante do possível rebaixamento da classificação de risco da companhia, entendemos que há exposição de sua estrutura de capital na medida em que o plano de maciços investimentos da companhia tem lastro em financiamento de terceiros. Atualmente, o plano de investimentos (CAPEX) da Petrobras é o maior plano de investimentos do mundo e já começa a ser revisto como forma de aliviar o caixa da empresa. Ao mesmo tempo, externamente, as cotações de commodities têm apresentado retração vertiginosa. Essa queda intensa reduz a atratividade de uma série de projetos da petroleira, especialmente no pré-sal onde o custo de extração é mais alto. Após a divulgação de seu balanço do 3o trimestre de 2014 em 23/04/2015, a Petrobras aumentou as razões para preocupação. Foram anunciados prejuízos com corrupção da ordem de mais de R$ 6 bilhões e a companhia apresentou o maior prejuízo de uma companhia brasileira em mais de 30 anos. Essa situação, associada à venda de ativos chave e à redução do programa de investimento da companhia aumenta nossas preocupações em relação ao futuro da ação. Para o longo prazo, consideramos que a Petrobras está sujeita a variados fatores de risco que podem comprometer o desempenho de suas ações. Diante dessa análise, consideramos que os papéis da empresa devem ter desempenho abaixo da média de mercado e permanecem com tendência de baixa de longo prazo. Essa tendência poderia ser alterada caso houvesse alteração na política de preços da empresa, com métodos objetivos de revisão tarifária, se a política de divisão de cargos na companhia fosse profissionalizada, se houvesse recuperação intensa da cotação do petróleo ou, ainda, se fosse revisto o modelo de partilha do pré-sal .

Número sobre a empresa

Todos os números estão em milhares
Valor
  • Quanto a empresa vale no mercado?
    Preço da Ação
    Número de Ações
    Valor total $479.6B Preço da empresa no mercado de ações
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Ativo total
    892.6MPassivo total
    Valor patrimonial R$ XX,X
  • Qual o valor do patrimônio líquido da empresa?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MPatrimônio por Ação
    A empresa vale 50% do seu valor patrimonial
Lucro
  • Quanto a empresa lucra?
    $225.2BReceita líquida
    $95.5BGastos
    Lucro anual $129.7B
    $129.7BLucro
    892.6MNúmero de Ações
    Lucro por Ação $145.30
  • Quanto o lucro representa do preço da Ação?
    $545.99Preço da Ação
    $145.30Lucro por Ação
    A empresa vale 5x seu lucro anual
Dividendos
  • Quanto a empresa distribui para os acionistas?
    $545.99Dividendos pagos
    $545.99Número de Ações
    A empresa distribui R$ 2,20 de dididendos para os acionistas
  • Quanto isso representa do preço da ação?
    $545.99Preço da Ação
    892.6MDividendos por Ação
    A ação distribuiu 4% do seu valor como dividendos em 1 ano
Correlação
  • Quão sensível a ação é à oscilações do Índice Bovespa?
    Beta: 0,5
    Abaixo de 0,7: Pouco sensível
    Entre 0,7 e 1,5: Sensível
    Acima de 1,5: Muito sensível